Blog de integração dos participantes do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID - CAPES, do curso de Letras da Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, com a Escola Estadual de Ensino Médio Frei Plácido e com a Escola Estadual de Ensino Médio Luiz Maria Ferraz - CIEP.

quarta-feira, 7 de março de 2012

O TEXTO NAS ATIVIDADES ESCOLARES, PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO E AUTORIA.

Osmar de Souza.
O artigo nos propõe uma reflexão sobre “o texto e a escola” e “o texto e a autoria”. A escola ainda utiliza a escrita dos alunos como avaliação dos conteúdos, este escrever institucionalizado não dá a oportunidade de uma escrita autoral, que faça sentido para o aluno. Normalmente o que temos na sala de aula são resumos, redações, cópias de alguns gêneros, etc, o que não acrescenta em nada, pois não passa de reprodução de textos que já existem. Este “pensar” o texto como algo pré-definido, limita o pensamento do aluno, pois a preocupação não esta no que escrevo, mas no como e quanto escrevo. A quantidade e a estrutura são o mais importante, aluno que escreve muito é normalmente dito, como um bom aluno de Português, o que não é verdade, pois a qualidade do texto não está na sua forma ou no seu tamanho, e sim autoria do texto, no dizer real do aluno, no seu posicionamento em relação ao assunto.
Sempre que se propõe uma atividade de texto em sala de aula, a maioria reclama e não quer fazer a atividade. Sempre me perguntava o porquê desta atitude? Mas não é difícil de perceber. O professor define o tema a estrutura e ainda atribui uma nota, como o aluno faz então para se expressar através da escrita? Difícil, são poucos que realmente conseguem. Então qual a função do texto na sala de aula se não para segregar, rotular, avaliar? Essa forma de utilizar a escrita na escola foi e é a prática dominante, mas que vem perdendo espaço, pois o escrever assim já não abarca as necessidades da sociedade atual. O escrever deve ser na escola um momento de reflexão, de posicionamento, de avaliação também, mas não desta avaliação de conteúdo e sim da avaliação do todo. O resumo de um livro por exemplo, não diz nada sobre o que o aluno entendeu, já uma crítica ao livro, o faz ter que se posicionar enquanto leitor ativo do processo.
Este escrever na escola, na minha visão, não passa de uma simulação, de reproduções sem sentido, que só é “ importante” para os leitores de mentirinha, no caso, nós professores. Uma escrita vazia de sentidos e carregada de limitações.

1 comentários:

Fernanda disse...

Li esse texto antes de começarmos as oficinas e decidi fazer um teste: não estipular linhas! Num primeiro momento quando eles tinham material de apoio percebi que muitos fizeram resumo desse material e depois davam sua opinião, sempre contando linhas, então resolvi chegar nos grupos e perguntar: "o que tu entende sobre isso?" "o que tu acha sobre isso" e conforme as respostas, novas perguntas surgiam. Na reescrita dos textos falei em alto e bom tom que eles deveriam se preocupar menos em contar linhas e mais em expressar suas opiniões, durante a reescrita passei nos grupos e incentivando-os a esquecerem o número de linhas e se concentrarem, instigava eles com perguntas... Resultado: no último trabalho realizado, até o momento, recebi uns 4 textos autorais,críticos e com mais de 20 linhas... acredito que consegui fazer com que eles foquem mais em dar sua opinião do que contar linhas.

23 de março de 2012 22:59

Postar um comentário

Seguidores